Após velório, corpo de Dona Marisa Letícia é cremado em São Bernardo do Campo,SP

fev 4 • Destaque • 439 Visualizações • Nenhum comentário em Após velório, corpo de Dona Marisa Letícia é cremado em São Bernardo do Campo,SP

A cerimônia de cremação do corpo da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva terminou por volta das 17h40 deste sábado (4), no Cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo. Antes de deixar o local, sob chuva, Lula se despediu do público que o aguardava do lado de fora.

A ex-primeira-dama foi velada no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. O velório começou por volta das 9h30 e foi encerrado às 15h30. Às 15h56, Lula e a família deixaram a sede do sindicato com o carro funerário.

O auditório do sindicato do ABC, palco de assembleias e discursos emblemáticos, foi aberto ao público às 10h30 depois de uma hora fechado só para a família de Dona Marisa.

Lula chora em velório do corpo de Dona Marisa Letícia (Foto: Nacho Doce/Reuters)

Lula chora em velório do corpo de Dona Marisa Letícia (Foto: Nacho Doce/Reuters)

Comoção

A foto de Lula e Marisa estampada na parede principal foi tirada em Istambul, em 2009, e é a mesma usada pelo Instituto Lula nas redes sociais. Foi no Sindicato dos Metalúrgicos que o casal se conheceu, em 1973. Na época, os dois eram viúvos. Sete meses depois, Lula e Marisa se casaram.

O caixão com o corpo de Dona Marisa Leticia foi coberto com as bandeiras do Brasil e do PT. O ex-presidente Lula e os filhos do casal recebem os cumprimentos de amigos e políticos, entre eles, a ex-presidente Dilma Rousseff, o presidente do PT, Rui Falcão, o vereador Eduardo Suplicy, o deputado Waldir Maranhão, Jair Meneguelli, ex-presidente da CUT, Vicentinho, deputado federal Gilberto Carvalho, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro, Renato Janine Ribeiro, o ex-ministro da Educação, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, Eleonora Menicucci, ex-ministra da Secretaria de Política para Mulheres, Ciro Gomes, ex-ministro da Integração, entre outros. Dilma e Eleonora Menicucci chegaram juntas ao velório por volta das 11h30.

Multidão no velório do corpo de Dona Marisa (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Multidão no velório do corpo de Dona Marisa (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Pouco antes do horário previsto para o fim do velório, o público fez homenagens ao ex-presidente Lula e a Dona Marisa. Os participantes cantaram gritos de guerra e desejaram força ao ex-presidente. “Marisa guerreira da pátria brasileira” e “o povo unido jamais será vencido”, diziam os gritos.

Na sequência, um vídeo foi exibido com entrevista de Marisa Letícia, Lula, depoimentos de sindicalistas que a conheciam, fotos e imagens da família. A despedida no velório terminou com um ato ecumênico.

Velório do corpo da ex-primeira-dama Marisa Letícia (Foto: André Penner/AP)

Velório do corpo da ex-primeira-dama Marisa Letícia (Foto: André Penner/AP)

Lula

Lula falou antes do encerramento da cerimônia, agradeceu a presença das pessoas e contou um pouco sobre a história da mulher. “Agradeço a todos que vieram prestar solidariedade […] Já chorei a quantidade que daria pra recuperar a represa Cantareira. Palavra de agradecimento a cada mulher, homem, parentes, minha vida não seria um décimo do que é se não fosse esse sindicato, se não fosse esse salão. Vocês não têm ideia da representatividade desse espaço. Aprendi a falar, perdi medo do microfone, aprendemos a lutar contra a ditadura, pensamos em criar PT, fazer greve da categoria. E a partir daqui saiu muita inspiração para outros sindicatos. Aqui eu conheci a Marisa, casei com Marisa. Aqui tivemos nossos filhos e aqui ela sustentou a barra. Sou resultado das greves, mas também sou resultado de uma menina que parecia que era frágil, mas que me ajudou a fazer tudo”, disse.

Choroso, Lula disse que “ela praticamente criou os filhos sozinha. Na verdade, acho que ela foi mãe, pai, tia, avó, foi tudo. Cuidou de tudo e nunca reclamou. [Foi] uma vida de muita compreensão. Casamento é maior exercício de democracia que existe. Aprende a ceder, aprende a conquistar alguma coisa. Se não tiver paciência essa lógica o casamento não dura muito tempo”, completou.

O ex-presidente também comentou sobre as investigações da Operação Lava Jato e disse que “Marisa morreu triste pela canalhice que fizeram com ela e a imbecilidade e a maldade que fizeram com ela. Tenho 71 anos e vou viver muito, espero, e quero provar que os facínoras que levantaram leviandades contra a Marisa tenha a humildade de pedir desculpas a ela”.

Discurso:
“Queridos companheiros, queridas companheiras que vieram prestar sua última mensagem e homenagem à companheira Marisa. Eu tinha dito que não falaria porque a preocupação de não falar e chorar é muito grande. Mas eu acho que já chorei a quantidade de lágrimas que daria para recuperar a represa Cantareira por dois anos.

Eu queria dar uma palavra de agradecimento a cada mulher, cada homem, cada companheiro, cada companheira – cada parente da Marisa, cada parente meu – e dizer ao companheiro Rafael, presidente desse sindicato, que minha vida não seria um décimo do que é se não fosse esse sindicato. Se não fosse esse salão.

Vocês não têm dimensão da representatividade desse espaço que nós estamos tem na minha vida; Aqui eu aprendi a falar. Aqui eu perdi o medo do microfone. Aqui nós decidimos combater a ditadura militar. Aqui nós criamos um novo sindicalismo. Aqui nós pensamos em criar a CUT. Aqui nós pensamos em criar o PT – aqui nós pensamos em fazer todas as greves feitas nessa categoria.

Aqui saiu inspiração para que muitos sindicatos se transformassem num sindicato combativo. Aqui eu conheci a Marisa. Aqui eu casei com a Marisa. Na minha posse, em 24 de abril de 1969, a Marisa tinha casado comigo. Nos casamos em 1975 – conheci Marisa em 73 e aqui nós criamos nossos filhos. Aqui a Marisa sustentou a barra para que eu me transformasse no que eu me transformei.

Eu sou o resultado da consciência política dos trabalhadores brasileiros. Na hora que ele evolui, eu evoluo. Eu sou resultado das greves, mas também sou resultado de uma menina que parecia frágil e que me deu a garantia que eu poderia viajar para ajudar candidatura, para ajudar criar sindicalismos combativos. Que ela segurava a barra. E nunca reclamou.

O meu primeiro filho, que é o Fábio, do meu casamento com ela, porque, quando eu casei ela já tinha o Marcos – que já tinha uns dois anos e pouco quando eu casei. Porque eu não sei se vocês sabem, a Marisa ficou viúva novinha, porque assassinaram o marido dela que estava dirigindo um táxi. Logo veio o Fábio, depois veio o Sandro, depois veio o Luiz Cláudio. E eu nunca estive presente. Por causa do PT, por causa da CUT, por causa das greves.

Eu lembro que quando o Fabio nasceu a gente estava pescando aqui na represa Billings, lá no montanhão. Aqui estava a Maria, o Antônio, a Inês. E era mais ou menos 18h, ela estava com água no pé do umbigo tentando pegar uma tilápia de uns 10 centímetros, para a gente comer. A gente assava e comia na beira da represa.

Era um domingo e nós fomos embora para casa. Fomos tomar banho. quando foi umas 6h30 manhã estourou a bolsa. Ela me chamou para levar ela no médico. Eu levei no PS de São Bernardo. Só que eu tinha uma reunião da diretoria do sindicato. Deixei a Marisa lá, e só fui lembrar Rui, as 11 horas da manhã. Quando cheguei em casa, já tinha nascido o Fábio.

O Sandro eu fui para Bahia no congresso do sindicato dos químicos. Ele adiantou um mês, um mês em pouco. Houve uma antecipação no parto. Eu estava no congresso dos petroleiros, na Bahia, quando em 1978 , dia 15 de julho, eu recebo a notícia que a Marisa tinha tido o Sandro. Ele foi antecipado alguns dias e eu não tinha como comemorar.

Era 9h eu fui no bar, no hotel da Bahia. Tomei um conhaque sozinho e comemorei o nascimento do Sandro. Aí nós combinamos que no próximo filho eu ia cuidar de ver o parto. Eu estava com ela em Cuba, o Sandro era pequeno. E a gente foi visitar um show lá em Cuba, no Tropicana. E não pudemos entrar por causa do Sandro.

Aí, então, nós voltamos e, por obra de deus, nós fizemos o companheiro Luis Claudio, que está aqui. Aí foi muito engraçado, porque lá em cuba eu descobri que o Sandro tinha um problema no coração. E, por conta dessa descoberta, nós viemos aqui em SP, e o Dr. Jatene operou a aorta dele. Ele tem até hoje, um cano, que está funcionando bem.

 

Mas o que é importante é que eu tinha assumido o compromisso com ela que eu ia assistir o parto do Luiz Cláudio. Apareceu uma companheira, que eu nem sei se está aqui no meio. Uma companheira, ex-militante do partidão, Albertina de Souza. Uma médica excepcional que falou para Marisa: eu quero fazer o seu parto gratuitamente. É um presente meu para você e para o Lula.

Aí eu fui na clínica São Luís. Era mais ou menos 17h30. Quando estou na clínica São Luis, Rui, eu recebo um telefonema do Djalma Boca – não sei se ele está aqui também. Ele era presidente do PT estadual e falou: Lula, o PMDB quer uma reunião urgente, porque quer discutir a aliança com o Losca (sic), aqui em São Paulo.

Eu, mais uma vez, pedi desculpa a Marisa. falei: Meu amor, ainda não é dessa vez. E fui fazer a reunião. Quando cheguei à meia noite no hospital, já tinha nascido o companheiro Luís Cláudio. Então, depois disso, Dom angélico, às vezes eu tenho culpa, às vezes eu acho que assim mesmo. Ela, praticamente, criou os filhos sozinha. Porque era ela que ia na escola.

Na verdade eu acho que ela foi mãe. Ela foi pai, ela foi tia, foi avó, foi tudo. Porque ela cuidou de todos e nunca reclamou da vida. A Marisa começou a trabalho com 11 anos de idade como empregada doméstica. Era babá. 11 anos de idade. Depois foi trabalhar na Dulcora. depois casou. Perdeu o marido, ficou viúva e conheceu esse ser humano bonito – que sou eu – e casou.

Eu brinco com a Marisa. Faz 43 anos que eu brinco com ela, todo ano, que ela acaba de ser eleita, todo o ano, que ela acaba de ser eleita a mulher mais bem casada do mundo.

Nós tivemos uma vida extraordinária. Uma vida de muita compreensão porque eu tenho em mente, que o casamento é o maior exercício de democracia que um ser humano pode fazer. É no casamento que você aprende a ceder. E tem que ceder todo o dia. E tem que brigar todo o dia para conquistar alguma coisa.

Você cede pra mulher. Você cede para o filho. Eles cedem para vc. E se você não tiver a paciência de exercer essa lógica de ceder um para o outro, o casamento não dura muito tempo. É por isso que gente casa e se separa muito rapidamente. É porque não tem o exercício da democracia.

Eu e a Marisa nunca brigamos. Eu já brigava muito no PT, muito no sindicato. Quando eu chegava em casa, às vezes ela queria brigar comigo, mas eu falava, Marisa, não adianta que eu não quero brigar. E não brigava, Rui. Eu aprendi, de uma mãe analfabeta, que dizia: nunca levante a voz pra sua mulher. Ela é a sua parceira e se não levantar a voz, nunca levante a mão para sua mulher. Eu não aprendi na universidade. Eu aprendi com uma mãe analfabeta ensinando um filho como se trata a parceira da gente.

 

Pois bem, a Marisa se foi. Eu, certamente, Dom Angélico, sofro menos do que as pessoas que não acreditam em deus. E do que as pessoas que não acreditam em outro mundo. Porque eu acredito em outra vida. E eu acho que ela vai encontrar. Ela deixou aqui muita gente que ela gosta. Muita gente. Sobretudo os filhos delas, os netos. Eu já estou bisavô. E ela, certamente, vai encontrar figuras extraordinárias lá em cima. Vai encontrar a mãe dela. Que é uma baixinha, chamada Regineta, que morava comigo um tempo. De uma doçura. Era muito parecida com a Marisa.

A dona Regineta levantava às 5h da manhã e ela começava a trabalhar. A Marisa, Rui, não há nada nesse mundo que faça a Marisa levantar depois das cinco. Ela pode dormir as duas da manhã que as cinco horas a Marisa está de pé fazendo alguma coisa. É a Regineta fiel. E eu penso que nós vivemos esse tempo todo vendo uma companheira humilde.

Quando eu fui eleito presidente, a Marisa era vítima de chacota. A direita ‘dizia será que ela vai conseguir limpar aquele vidro do palácio da alvorada? Será que ela vai ser ministra? Ela vai dar conta do recado? E eu dizia pra Marisa: Você não vai ser ministra, Marisa. Porque a obra mais importante que a mulher de um presidente pode fazer é dar segurança para o presidente da república não fazer as bobagens que os presidentes fazem nesse país.

Porque, no fundo no fundo, ela era mais do que uma ministra. Eu ficava pensando|: eu coloco a Marisa para ser ministra de alguma coisa, aí a imprensa começa a bater nela. Bate nela num canto e bate no Lula, no outro. Bate nela num canto…não! Ela em casa, a gente sentava, conversava, discutia. E ela tinha muito mais importância que os ministros. A Marisa sempre dizia para mim. ‘Oh lula você não esqueça nunca de onde você veio e para onde você vai voltar’.

Uma vez, e eu vou contar isso, para terminar. Uma vez, a gente estava jantando no Palácio da Alvorada, a Marisa começou a rir, começou a rir e eu não sabia porque a Marisa estava rindo. Mas sabe quando uma pessoa ri e parece que vai morrer de rir? E ela disse, sabe porque eu estou rindo, Lula? É porque esses companheiros que trabalham na cozinha e esses garçons nunca imaginaram que esse palácio fosse ter uma presidenta, uma mulher de um presidente que pedisse para eles cozinhar pé de frango para ela comer.

Isso mostrava a diferença de quem estava dentro do Palácio da Alvorada. E ela dizia para mim. ‘Lula, a gente não pode fazer nada, nada mais importante do que a gente fez quando a gente não era presidente. Porque a gente não pode, por ser presidente, tentar utilizar porque pretexto para ter um padrão de vida superior àquele que a gente tinha quando você era simplesmente presidente do sindicato de São Bernardo do Campo.

Eu tenho orgulho, tenho orgulho, que a Marisa viajou comigo esse mundo inteiro. Acho que nunca uma primeira dama viajou 10% do que Marisa viajou, e a Marisa nunca me pediu $10 para comprar nada lá fora. Nada. A Marisa, desde 1975, a minha conta bancaria é no nome da Marisa. Porque eu nunca aceitei que a mulher ficasse mendigando R$ 10 para o marido para ir à feira. Ela ia e gastava o que precisasse.

Então, Marisa nunca me pediu um anel. Marisa nunca me pediu um vestido. Nunca pediu nada. A única coisa que ela queria era me ver cuidar dos filhos. Ela se foi… os filhos não precisam mais desse cuidado porque agora eles vêm aqui cuidar de mim. Eu estou véinho (sic). Eles tem que cuidar. Mas eu quero dizer que eu sou grato por vocês, pelo carinho que vocês tiveram comigo. Não é pouco tempo que eu estou aqui, gente. Eu estou aqui desde 24 de abril de 1969. Sou presidente. Fui presidente desde 24 de abril de 1975. A maioria nunca nasceu. Sabe? Eu tenho consciência que eu sou resultado de vocês. Eu tenho consciência. E tenho consciência que junto com vocês essa galeguinha que parecia frágil, mas quando ficava vermelha e falava grosso colocava medo em muita gente, Dona Maria.

Então, de coração, muito obrigado a cada mulher e a cada homem sabe que veio a esse ato aqui hoje. E eu vou. Eu vou continuar agradecendo a Marisa até o dia que eu não puder mais agradecer. O dia que eu morrer. E espero encontrar com ela, com esse mesmo vestido, que eu escolhi para colocar nela, vermelho, para mostrar que a gente não tinha medo de vermelho quando era vivo, não tem medo de vermelho quando morre.

Ela está com uma estrelinha do PT no seu vestido e eu tenho orgulho dessa mulher junto comigo e outros milhares, muitas vezes essa molecada dormia no chão, da praça da matriz, e a Marisa e outras companheiras vendendo bandeira, vendendo camiseta, para gente construir um partido que a direita quer destruir.

Na verdade, Marisa morreu triste, Rogério (sic). Porque a canalhice que fizeram com ela e a imbecilidade e a maldade que fizeram com ela, eu vou dedicar. Eu tenho 71 anos. Não sei se Deus me levará em curto prazo. Eu acho que vou viver muito porque eu quero, eu quero provar que os facínoras que levantaram leviandades com a Marisa tenham um dia a humildade de pedir desculpas a ela.

Eu digo todo dia. Se alguém tem medo nesse país. Se alguém praticou corrupção nesse país. Se alguém tem medo de ser preso, eu quero dizer o seguinte: esse que está enterrando a sua mulher hoje, não tem.

Porque eu tenho a consciência tranquila. Tenho certeza da consciência e do trabalho da minha mulher. E não sou eu que tenho que provar que eu sou inocente. Eles é que precisam provar que as mentiras que eles estão contando são verdadeiras. Portanto, querida companheira Marisa, descanse em paz porque o seu Lulinha paz e amor vai continuar brigando muito para defender a sua honra e a sua imagem.

Coroa de flores com os dizeres

Coroa de flores com os dizeres “Minha galega, agora o céu ganha a estrela que iluminou a minha vida”, Lula. (Foto: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Homenagens

A deputada federal pelo PSOL Luiza Erundina afirmou que Marisa era uma mulher do povo e que esteve junto com todos no final da década de 70, lutando contra a Ditadura e construindo o PT.

“Registrou-se na história como a primeira-dama do primeiro operário brasileiro […] Ela tinha uma relação igualitária com ele […] Nós mulheres avançamos muito no seu governo. Sem dúvida Marisa era um estímulo, uma força e participava certamente nas decisões do Lula no interesse das mulheres, trabalhadores e pobres desse país”, disse Erundina.

O ex-ministro Alexandre Padilha afirmou que “Lula não seria o que é o Lula sem a convivência com Marisa Letícia”. “Ela tinha uma forma diferente de exercer a militância. Ela era conselheira política do Lula”, disse.

“Lula é um animal politico. Certeza de que em função do momento do país, Lula vai se dedicar mais ainda a ajudar o país a encontrar soluções. Veremos um Lula mais dedicado ainda”, completou.

Para o ex-ministro José Eduardo Cardozo, Marisa Letícia era “uma mulher forte, um exemplo”. “Soube se impor com suas características. […] Acho que o presidente Lula tinha muita energia dessa mulher”, disse.

O público que foi prestar homenagem à ex-primeira dama enfrentou uma fila que chegou a quatro quarteirões. “Acho importante estar aqui para marcar espaço. Não só pra prestar solidariedade, porque a gente sabe o quanto ela foi importante para o Lula, mas pra mostrar que ainda estamos aqui vivos”, disse a aposentada Célia Regina Mendes da Silva.

A também aposentada Maira Olivia de Castro Matiero, de 75 anos, mora em São Bernardo do Campo e foi se despedir da vizinha Marisa. “Eu sempre fui vizinha deles, quatro quarteirões da minha casa. A gente via a Dona Marisa, mas nunca conversava. Ela foi uma batalhadora e uma dona de casa excelente.”

Velório do corpo de Marisa Letícia (Foto: Alice Vergueiro/Estadão Conteúdo)

Velório do corpo de Marisa Letícia (Foto: Alice Vergueiro/Estadão Conteúdo)

Velório do corpo de Marisa Letícia no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (Foto: Roald Júnior/GloboNews)

Velório do corpo de Marisa Letícia no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (Foto: Roald Júnior/GloboNews)

Dona Zeinha Feitosa, amiga de Marisa Letícia (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Dona Zeinha Feitosa, amiga de Marisa Letícia (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Dona Zelinha Feitosa trabalha no sindicato dos metalúrgicos do ABC há 42 anos. Começou como funcionária da limpeza e hoje trabalha na lanchonete que funciona dentro do sindicato. Ela lembra que, embora muito reservada, Marisa Leticia “tinha o dom de reunir as mulheres do sindicato, no começo do partido.” Na prateleira da lanchonete expõe a foto com Marisa Letícia. A lembrança já estava ali e vai continuar. “Da primeira-dama todo mundo queria ser amiga, eu era amiga da Marisa”, diz Zelinha Feitosa.

Dilma e a ex-ministra Eleonora com Lula no velório (Foto: reprodução)

Dilma e a ex-ministra Eleonora com Lula no velório (Foto: reprodução)

Velório de Dona Marisa ocorre na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Velório de Dona Marisa ocorre na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é visto chegando ao Velório de sua esposa, Marisa Letícia da Silva, realizado no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, berço do Partido dos Trabalhadores, no ABC Paulista, na manhã deste sábado (4). (Foto: Tiago Queiroz / Estadão)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é visto chegando ao Velório de sua esposa, Marisa Letícia da Silva, realizado no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, berço do Partido dos Trabalhadores, no ABC Paulista, na manhã deste sábado (4). (Foto: Tiago Queiroz / Estadão)

O ex-ministro Ciro Gomes durante o velório de dona Marisa Letícia (Foto: laercio Pimentel/G1)

O ex-ministro Ciro Gomes durante o velório de dona Marisa Letícia (Foto: laercio Pimentel/G1)

O corpo deixou o hospital Sírio-Libanês, onde ela estava internada desde o dia 24 de janeiro, por volta das 7h30 e chegou ao sindicato às 9h. O ex-presidente Lula chegou ao local 20 minutos antes do corpo.

Segundo o vereador Eduardo Suplicy, Marisa estava sempre junto de Lula. “Algumas vezes que jantei no Alvorada ela estava sempre amável nos recebendo. Então, eu venho aqui mais uma vez dar meu abraço a Lula e a todos os companheiros recordando os momentos significativos na vida do Brasil”, disse.

“Fiquei bastante impactado com a visita do Temer, FHC, José Sarney, José Serra e Henrique Meirelles e que o Lula teve a oportunidade de dizer a eles que, por mais que tenhamos opiniões diferentes sobre o que está se passando no Brasil, quero agradecer a todos e me coloco à disposição para dialogar com vocês”, afirmou Suplicy. Ele afirmou que Lula disse da disposição dele para conversar com Temer, mesmo que “todos soubessem que ele queria que quem tivesse ali era outra pessoa”.

José Leoncio Sobrinho veio de Garanhuns, cidade natal do ex-presidente (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

José Leoncio Sobrinho veio de Garanhuns, cidade natal do ex-presidente (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

José Leôncio Sobrinho Veio de Garanhuns, cidade natal do ex- presidente, só para prestar homenagem à família de Lula: “Dona Marisa veio lá de trás, jovenzinha, com o Lula. Fez essa trajetória todinha com esse companheiro guerreiro e forte. Então, a gente não pode esquecer um momento como esse. Garanhuns não é tão distante que a gente não possa estar aqui”, disse ele, que é diretor do Sindicato de Alimentos e Bebidas de Garanhuns e região. Ele aproveitou para registrar a solidariedade em um painel de tecido montado para mensagens.

Multidão aguarda para dar adeus à dona Marisa Letícia; velório começou só para a família

Dona Marisa foi internada no dia 24 de janeiro no Hospital Sírio-Libanês, no Centro de São Paulo, depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral hemorrágico provocado pelo rompimento de um aneurisma. O óbito foi constatado às 18h57 de sexta-feira (3), segundo boletim médico. Lula e sua família autorizaram a doação dos órgãos.

Carro da funerária com o corpo chega ao ABC (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Carro da funerária com o corpo chega ao ABC (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

O protocolo oficial para constatar a morte cerebral, os médicos submeteram dona Marisa a dois testes: o primeiro ocorreu às 12h05 e o segundo, às 18h05 de sexta. O protocolo determina que o último exame seja conduzido por outro médico para comprovar a perda definitiva e irreversível das funções cerebrais. De seus 66 anos de vida, Maria Letícia passou 42 ao lado de Lula

Nas redes sociais, Lula lembrou com carinho da esposa. “A ex-primeira-dama costurou a primeira bandeira do PT, começou a trabalhar aos 9 anos e organizou resistência das mulheres durante as grandes greves do ABC.”

Ao saber da morte de dona Marisa, o presidente Michel Temer decretou luto de três dias no país.

Na quinta, um boletim médico divulgado pelo hospital informou que um doppler transcraniano identificou a ausência de fluxo cerebral. Em seguida, Lula publicou em seu pefil no Facebook uma mensagem agradecendo o carinho e informando que a família autorizava a doação de órgãos.

“A família Lula da Silva agradece todas as manifestações de carinho e solidariedade recebidas nesses últimos 10 dias pela recuperação da ex-primeira-dama Dona Marisa Letícia Lula da Silva. A família autorizou os procedimentos preparativos para a doação dos órgãos”, diz o post. Depois, a página do Facebook do ex-presidente atualizou a foto de perfil e colocou uma imagem do casal sorrindo.

Quando foi internada, dona Marisa passou por um procedimento de emergência, que durou cerca de duas horas, para conter a hemorragia no cérebro. Os médicos fizeram uma arteriografia cerebral para localizar a lesão e depois introduziram um cateter até a região afetada para estancar o sangramento.

Do Portal G1

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »