Pescador flagra duas onças-pintadas às margens do Rio Guaporé, em RO

nov 16 • Destaque • 1356 Visualizações • Nenhum comentário em Pescador flagra duas onças-pintadas às margens do Rio Guaporé, em RO

Jonatas Boni Do G1 RO

Um extensionista rural de Vilhena (RO) presenciou um momento raro junto da natureza. Durante uma pescaria no Rio Guaporé, Fábio Back se deparou com duas onças-pintadas andando às margens do rio, cerca de 500 metros de distância uma da outra. O encontro com o maior felino da América Latina ao mesmo tempo em que assustou o grupo de três pessoas que estavam no barco, causou encanto entre os pescadores.

As fotos do flagrante foram feitas no final de outubro, mas só agora Fábio, que é servidor da Associação de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater-RO), postou em uma rede social. “Encontramos as duas bem próximas, uns 500 metros uma da outra. O mais incrível é que ao nos ver, nenhuma delas correu”, relembra Fábio. Para fotografar os animais, o grupo remou até próximo do barranco, mas o pescador disse ter tomado cuidado para um eventual ataque.

As onças-pintadas estavam em um local conhecido como Bahia das Onças, na divisa com estado de Rondônia e Mato Grosso. “Embora digam ser fácil de ver onça na região, foi a primeira vez que vi. Foi uma sensação diferente, afinal o animal é diferente dos que estamos habituados a ver”, explica.

Uma das onças vistas pelo grupo de pescadores estava agitada, segundo Fábio. “Ela fazia aquele mesmo movimento dentro de uma jaula, andando de um lado para outro”, conta. O servidor da Emater esteve pescando no local durante três dias.

Segundo o biólogo Itamar Neri, este comportamento de agitação pode indicar que havia algum filhote por perto. “Normalmente ela faz isso com instinto de defesa, por isso anda de um lado para o outro. Existe também a possibilidade de haver alguma caça que ela estava cuidando”, afirma.

 

Sobre as duas onças não terem corrido com a presença de pescadores, para Neri isto pode indicar que os animais estão acostumadas com a presença de humanos na região. “Eles são animais que tem medo da gente. Então a reação natural é fugir do local ao ver uma pessoa”, comenta. O biólogo diz que ficar nas margens de rios é uma estratégia de caça, visto que muitos animais, como a capivara, por exemplo, usam o rio como bebedouro.

De acordo com o biólogo, ao se deparar com felinos como este, o recomendável é se afastar e se manter em local seguro, pois caso o animal esteja com filho, a onça se torna agressiva e pode atacar qualquer humano. “Ao se afastar, é preciso tomar cuidado também para não agitar o animal”, afirma.

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »