Balança comercial tem superávit de US$ 1,197 bilhão em novembro

dez 1 • Economia • 670 Visualizações • Nenhum comentário em Balança comercial tem superávit de US$ 1,197 bilhão em novembro

A balança comercial brasileira registrou superávit (exportações maiores que as importações) de US$ 1,197 bilhão em novembro, divulgou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior nesta terça-feira (1).

No acumulado no ano, o superávit ficou em US$ 13,442 bilhões, revertendo o déficit alcançado em igual período de 2014, de US$ 4,348 bilhões.

O resultado de novembro ficou abaixo do saldo de US$ 1,30 bilhão estimado por especialistas em pesquisa da Reuters. O superávit também foi um pouco menor do que o registrado em outubro, quando as exportações superaram as importações em US$ 1,996 bilhão.

As exportações superaram as importações pelo 9º mês seguido. O superávit de novembro, entretanto, é o menor desde abril, quando ficou em US$ 490 milhões.

O resultado positivo da balança comercial no ano vem um momento de profunda recessão econômica, com as exportações e também as importações recuando em novembro sobre um ano antes, em meio também ao dólar mais caro.

A balança comercial com salto positivo contribui para a redução do déficit em transações correntes do país e, assim, da necessidade de financiamento externo.

Destaques de novembro
No mês, as exportações somaram US$ 13,806 bilhões, queda de 11,8% na comparação com novembro de 2014. Já as importações totalizaram US$ 12,609 bilhões, valor 30,2% inferior ao do mesmo mês do ano anterior.

Em novembro, houve queda na comparação com o ano anterior das exportações de produtos básicos (-14,3%), semimanufaturados (-13,5%) e manufaturados (-7%).

Entre os produtos básicos, as vendas de petróleo bruto em valor caíram 51,2% na comparação com novembro de 2014 e as de minério de ferro recuaram 43%, em meio a queda do preço das commodities no mercado global.

Do lado das importações, as maiores quedas foram registradas nas compras de combustíveis e lubrificantes (-39,6%), bens de consumo (-33,6%), bens de capital (-32,3%) e matérias-primas e intermediários (-24,6%).

No acumulado janeiro a novembro, as exportações alcançaram US$ 174,351 bilhões (queda de 14,9% frente a 2014), enquanto que as importações somaram US$ 160,909 bilhões (queda de 23,1%). A corrente de comércio alcançou cifra de US$ 335,260 bilhões, representando queda de 19% sobre o mesmo período anterior.

Principais parceiros
Em termos de países, os cinco principais compradores foram: China (US$ 2,061 bilhões),  Estados Unidos (US$ 1,717 bilhão), Argentina (US$ 1,037 bilhão), Países Baixos (US$ 817 milhões) e Japão (US$ 422 milhões).

Já os 5 principais exportadores para o Brasil foram: Estados Unidos (US$ 2,087 bilhões),  China (US$ 1,967 bilhão), Argentina (US$ 840 milhões), Alemanha (US$ 835 milhões) e 5º Nigéria (US$ 420 milhões).

Resultado de 2014
Em 2014, a balança comercial brasileira teve déficit (importações maiores do que vendas externas) de US$ 3,95 bilhões, o pior resultado para um ano fechado desde 1998, quando houve saldo negativo de US$ 6,62 bilhões. Também foi o primeiro déficit comercial desde o ano 2000, quando as compras do exterior ficaram US$ 731 milhões acima das exportações.

De acordo com o governo, a piora do resultado comercial no ano passado aconteceu, principalmente, por conta da queda no preço das “commodities” (produtos básicos com cotação internacional, como minério de ferro, petróleo e alimentos, por exemplo); pela crise econômica na Argentina – país que é um dos principais compradores de produtos brasileiros – e pelos gastos do Brasil com importação de combustíveis.

Estimativas do mercado e do BC para 2015
A expectativa do mercado financeiro para este ano, segundo pesquisa realizada pelo Banco Central com mais de 100 instituições financeiras na semana passada, é de melhora do saldo comercial. A previsão dos analistas dos bancos é de um superávit de US$ 15 bilhões nas transações comerciais do país com o exterior.

 

Fonte:G1

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »