HIDRELÉTRICAS: SANTO ANTÔNIO E JIRAU ANUNCIAM O FIM DE UMA ERA DE CONQUISTAS PARA RONDÔNIA

mar 24 • Geral • 477 Visualizações • Nenhum comentário em HIDRELÉTRICAS: SANTO ANTÔNIO E JIRAU ANUNCIAM O FIM DE UMA ERA DE CONQUISTAS PARA RONDÔNIA

De “CICLOS”, assim desenvolveu a Rondônia de “Rondon”, o maior dos desbravadores, depois do bandeirante “Raposo Tavares” que desceu o Rio Madeira anunciando o começo de uma era e de uma região que seria dotada por ciclos.

Com á falência dos negócios embalados pela plantação da “hevea brasiliensis”, na Malásia, veio o ciclo populacional, pessoas atraídas pela sorte de ganhar a vida, transformando o Estado num pequeno Brasil cultural. Logo após, o ciclo do Ouro, com exploração, no Rio Madeira. Décadas depois é anunciado um dos piores pesadelos que Rondônia poderia imaginar, a construção das USINAS HIDRELÉTRICAS DE SANTO ANTÔNIO E JIRAU, NO RIO MADEIRA por empresas meramente estrangeiras, com propaganda brasileira.

Aos poucos com disseminação das notícias jogada pela “imprensa” em conluio com os grandes empresários da mídia local, políticos bandeirinhas, membros da sociedade, com o apoio de uns pobres coitados sem informação, miseráveis, sedentos por um tatinho assim de comida.

Puseram florestas inteiras no raio de 50 km abaixo, deixando rios e igarapés sem o que exige o Código Florestal, uma área de reflorestamento. O que se ve hoje são os mesmo rios e igarapés tomados pela força da invasão das águas do Rio Madeira. Mas o pior estava por vir, a consequência de um MAL PLANEJAMENTO DOS ENGENHEIROS DE SANTO ANTONIO E JIRAU levou a algo pior, e catastrófico para os Estados de RONDÔNIA E ACRE, em especial a capital PORTO VELHO.

O fechamento do curso natural do RIO MADEIRA levou a barricadas, minando a força e volume de água que desce aos milhares de litros por segundo.

A desolação hoje é um cenário onde quer se vá na capital Porto Velho, ruas, prédios históricos, como a FERROVIA MADEIRA MAMORÉ submersa pelas águas. A floresta Amazônica consumida, sendo destruída como ocorrido na época da construção do LAGO DE SAMUEL, outra hidrelétrica sem planejamento devido. Animais da fauna morrendo afogados, um prejuízo ambiental que nunca foi visto antes na história nortista.

AS HIDRELÉTRICAS DE SANTO ANTÔNIO E JIRAU NO RIO MADEIRA MARCAM O FIM DA ERA DOS “CICLOS”EM RONDÔNIA, O FIM DO DESENVOLVIMENTO, O FIM DE UM POVO QUE NÃO SABE A QUEM BUSCAR SOCORRO.

 

Fonte:News Rôndonia

 

 

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »