Indonésia inicia preparativos para fuzilar brasileiro

abr 24 • Destaque, Geral • 548 Visualizações • Nenhum comentário em Indonésia inicia preparativos para fuzilar brasileiro

As autoridades da Indonésia começaram os preparativos para executar dez presos condenados no país por narcotráfico, incluindo o brasileiro Rodrigo Gularte, apesar de ainda não ter determinado a data das execuções, informou nesta sexta-feira a imprensa local. Há, ainda, três nigerianos, dois australianos, um francês, um filipino e um ganês. De acordo com uma das autoridades, as execuções devem ocorrer “em alguns dias”. As notificações formais de execução, que devem ser emitidas com 72 horas de antecedência, ainda não foram publicadas, afirmou um representante da embaixada francesa. “Todos os processos legais já terminaram. O próximo passo é realizar as execuções”, declarou o porta-voz do ministério de Relações Exteriores, Armanatha Nasir. Ele acrescentou que uma data exata ainda será determinada pela Procuradoria Geral. As execuções foram adiadas por semanas, enquanto vários apelos eram feitos pelos países dos condenados e por organizações internacionais, como a União Europeia e a Organização das Nações Unidas (ONU). Austrália oferece pagar à Indonésia para manter condenados vivos Nesta semana, a Indonésia recebe diversas lideranças internacionais, que irão ao país para participar de dois grandes eventos internacionais, o Fórum Econômico Mundial e uma cúpula de líderes da Ásia e da África. Como vários deles são contrários às execuções, elas devem ser adiadas, para não causar nenhum tipo de constrangimento ao presidente indonésio, Joko Widodo, avalia o analista político Paul Rowland. “Quando os eventos terminarem, as execuções serão questão de tempo”, disse David McRae, da Universidade de Melbourne, da Austrália, país de dois dos condenados. “A Indonésia vai argumentar que os prisioneiros passaram por todo processo legal, mas eu não acho que este argumento vai acalmar as pressões internacionais, pois há questões do sistema legal indonésio que não foram abordadas em razão da pressa que houve para chegar às execuções”, acrescentou. O presidente Widodo afirma ainda que o país enfrenta sérios problemas com tráfico de drogas e que as execuções são necessárias para coibir a prática. A iniciativa conta com o apoio de boa parte da população da Indonésia e, por isso, Widodo tem sofrido poucas críticas internas. Brasileiro – Rodrigo Gularte foi preso em 2004 com vários quilos de cocaína escondidos em uma prancha de surf. O governo brasileiro e os familiares de Gularte alegam que ele sofre de esquizofrenia, por isso não deveria ser executado – as leis indonésias proíbem a execução de pessoas com doenças mentais. Apesar dos pedidos de clemência por parte da presidente Dilma Rousseff, do primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, e do presidente da França, François Hollande, Widodo, reiterou a firmeza de seu governo contra o narcotráfico e descartou todas as solicitações. Em janeiro, a Indonésia fuzilou seis presos acusados de narcotráfico, entre eles o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira. Sua execução causou uma crise diplomática entre o país asiático e o Brasil. A Indonésia, que retomou as execuções de réus em 2013, mantém 133 prisioneiros no corredor da morte, 57 acusados por tráfico de drogas, dois por terrorismo e 74 por outros crimes. Fonte:Veja

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »