JOVEM RONDONIENSE: RISCO DE CADEIA ETERNA NA TURQUIA

mar 7 • Notícias • 1299 Visualizações • Nenhum comentário em JOVEM RONDONIENSE: RISCO DE CADEIA ETERNA NA TURQUIA

A Turquia tinha, até agosto de 2002, uma das mais duras legislações contra o tráfico de drogas. A abolição da pena de morte, exceto em tempo de guerra, foi aprovada por 256 parlamentares, contra 162, tendo sido substituída pela prisão perpétua sem possibilidade de apelo,  no dia 3 de agosto daquele ano. Portanto, a jovem rondoniense Cristhielem Kruger Pomin, de 26 anos, presa na semana passada ao tentar entrar na Turquia com droga, não perderá a vida, mas corre o risco de nunca mais poder voltar para casa. Se ela tivesse sido presa no Vietnam, por exemplo, não teria chance alguma. Só no último 20 de fevereiro, 20 pessoas foram condenadas à morte, por fuzilamento, depois de um julgamento de 17 dias. Todos são  líderes de quadrilhas de traficantes. Se essa lei valesse para o Brasil, certamente seria um duro golpe para o tráfico. Só que  aqui, quem decreta pena de morte é traficante. Mas, voltando à dureza da lei, Cristhiele, uma jovem estudante de Medicina, que estava encaminhando-se para se formar na Bolívia, sumiu de casa e, lamentavelmente, presa como traficante internacional.

Na primeira carta que enviou a mãe, a jovem não se desculpa e nem explica porque se envolveu numa operação tão complexa e perigosa como essa. Mas agradece por não ter sido presa no Egito, por exemplo, onde, se condenado, poderia ser apedrejada até a morte. O que, aliás, é uma verdade parcial. Cristhielen, cuja família é de Cerejeiras, está enrolada. Se não conseguir provar no julgamento que entrou no tráfico obrigada ou que não sabia o que estava transportando, o que já beira às raias do impossível, pode acabar recebendo uma pena de prisão perpétua. Que terá que cumprir na Turquia. É duro? Claro que é. Mas não se combate o tráfico de drogas com rosas e leis pífias, como as temos no Brasil.

Fonte: www.newsrondonia.com.br 

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »