Mulher agredida com martelo diz que ex continua tentando matá-la, em GO

dez 24 • Notícias • 969 Visualizações • Nenhum comentário em Mulher agredida com martelo diz que ex continua tentando matá-la, em GO

A cabeleireira Marina Mirtes, 51 anos, deLuziânia, cidade goiana do Entorno do Distrito Federal, afirma que o ex-namorado, suspeito de agredi-la com marteladas e golpes de chave de fenda, voltou a ameaça-la. “Ele vem me perseguindo na rua, já viram ele na esquina também. O carro estava parado aqui, quando acendeu as luzes da casa, o carro veio em cima de mim. Ele fica nas esquinas me vigiando, ele passa de bicicleta e também me ameaça de morte”, afirma Marina.

Há cerca de dois meses uma agressão deixou a cabeleireira cega do olho direito e com o rosto deformado. O crime aconteceu no dia 29 de setembro, mas Marina só denunciou o caso este mês, por medo do ex-namorado, que ela afirma ser o autor da agressão.

Depois da denúncia, Marina seguiu as recomendações da polícia: deixou de trabalhar e foi morar na casa de parentes na tentativa de se proteger. Mesmo assim, segundo a vítima, o ex-namorado descobriu o novo endereço.

e acordo com a delegada que acompanha o caso, Dilamar de Castro, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, a vítima informou à polícia que o ex está na cidade e a está perseguindo. Os agentes da polícia fazem buscas na região, mas, de acordo com as investigações, o homem pode ter fugido para outro estado.

“Temos informações que ele está em outra região e estamos fazendo os levantamentos para que a gente consiga efetuar a prisão dele o mais rápido possível”, afirma a delegada.

Agressões
A cabeleireira contou que namorava com o suspeito há um ano. Neste período, ela já sofria agressões físicas e psicológicas do ex. Segundo Marina, o ciúme excessivo foi o principal motivo para que o suspeito agisse com violência. “Ele era muito agressivo. Depois de me torturar, mandou mensagem me ameaçando. Tenho medo dele voltar para me matar”, afirma.

 

Inicialmente, a vítima foi encaminhada para o Hospital Regional de Luziânia. Transferida em estado grave para Brasília, a cabeleireira ficou internada durante um mês e passou por duas cirurgias para reconstrução da face. Além disso, ela precisou fazer um enxerto no rosto, mas reclama de fortes dores. “Não consigo abrir a boca direito. Estou fazendo fisioterapia para conseguir”, relatou.

Marina espera conseguir colocar próteses dentárias e torce para que o agressor seja preso. “Queria ajuda para colocar os meus dentes. Fiquei apenas com dois dentes na boca e não tenho dinheiro para me tratar”, afirmou.

Para a polícia, não há dúvidas de que o suspeito tentou matar a cabeleireira. “Tenho a convicção de que ele deixou o local com a certeza de que tinha dado fim à vida da namorada”, destacou a delegada.

Se o crime for considerado como tentativa de homicídio, o homem, de 31 anos, pode ser condenado a mais de 20 anos de prisão.

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »