Ariquemes: Presos de Ariquemes começaram a ser monitorados por tornozeleiras eletrônicas

mar 14 • Polícia • 1379 Visualizações • Nenhum comentário em Ariquemes: Presos de Ariquemes começaram a ser monitorados por tornozeleiras eletrônicas

Na tarde desta quinta feira (13/03) nas dependências da Casa do Albergue de Ariquemes, a SEJUS/RO (Secretaria de Estado da Justiça) deu inicio ao monitoramento de presos através de tornozeleiras eletrônicas. Policiais Militares do Sétimo Batalhão PM estiveram presentes neste evento.
De acordo com o diretor da Casa do Albergado de Ariquemes, Stanisley de Sena Brito, a medida deve garantir mais eficácia na fiscalização dos presos que atualmente se encontram no regime fechado, mas devido o bom comportamento obtiveram o beneficio de participarem do projeto denominado “Construindo a Liberdade”, onde os detentos saem do presídio para prestar serviços aos órgãos estaduais e municipais, serviço este que reduz suas penas a serem cumpridas.
O projeto já havia sido adotado há alguns meses atrás, mas devido o número de fugas e morte de detentos participantes do projeto, o Juizado da Comarca de Ariquemes suspendeu temporariamente, até serem tomadas novas medidas para evitar tais situações.
O diretor relatou que de imediato, vinte e cinco tornozeleiras eletrônicas foram instaladas nos detentos, somente nesta primeira etapa, sendo vinte e dois homens e três mulheres, e dependendo da avaliação do Juizado Criminal local, o monitoramento poderá se estender para outros detentos.
As tornozeleiras contam com um avançado sistema de monitoramento, podendo acompanhar o deslocamento de cada preso. Os servidores do sistema prisional terão acesso a um sistema ligado a internet, que disponibilizará com precisão e em tempo real a localização de cada detento, o que segundo Stanisley, evitará que o detento saía de sua área delimitada, como por exemplo: Residência e local de trabalho, e também delimitar locais impróprios.
O equipamento esta sendo representado pela empresa brasileira “Spacecom”, a qual mandou um instrutor para instruir os servidores do presídio de como colocar o equipamento nos detentos e também manusear o programa que faz o rastreamento. O instrutor da empresa, explicou que se o equipamento for violado, emitirá um sinal a central, o mesmo acontece se o preso transgredir a sua área delimitada, ou também se o usuário não recarregar seu equipamento, que neste caso, Stanisley ressalta que pode resultar ao interno, em aplicações de penalidades, inclusive com a suspensão do direito de liberdade assistida.
Ariquemes, 13 de março de 2014
Ênedy Dias de Araújo – Ten Cel PM
Comandante do 7º BPM

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »