Avião da PF já está em Congonhas para buscar réus mensaleiros e jaja decola pra BH

nov 16 • Política • 822 Visualizações • Nenhum comentário em Avião da PF já está em Congonhas para buscar réus mensaleiros e jaja decola pra BH

Uma aeronave da Polícia Federal (PF) decolou do aeroporto de Brasília, por volta das 11h40, para buscar os condenados do processo do mensalão que estão sob custódia das superintendências da corporação em São Paulo e em Belo Horizonte. Entre os nove réus que se entregaram à polícia nesta sexta (15) nas capitais mineira e paulista estão o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o operador do esquema do mensalão, Marcos Valério.
A PF não informou se o plano de voo do avião prevê a primeira parada em São Paulo ou em Minas. A previsão é de que a aeronave retorne ainda neste sábado para Brasília.
De acordo com a assessoria da corporação, ao desembarcarem no Distrito Federal, os condenados que tiveram a prisão decretada seguirão do aeroporto de Brasília diretamente para a Superintendência da Polícia Federal. No prédio, eles serão apresentados ao diretor-geral da PF, Leandro Daielo, que é quem coordena a operação.
Em seguida, serão levados a um médico legista, no Instituto Médico Legal ou na própria superintendência, para exame de corpo de delito. Depois que o médico atestar a integridade física dos condenados, eles serão apresentados ao juiz da Vara de Execuções Penas do Distrito Federal, que decidirá a penitenciária onde cada um cumprirá a pena.
“Aqui, eles serão tratados como qualquer preso e passarão por exame se corpo de delito. A questão de foro é só no Supremo”, disse a assessoria da PF.

Os presos com penas inferiores a oito anos irão para o regime semiaberto, no Centro de Progressão Penitenciária (CPP). Nesse regime, os presos saem durante o dia para trabalhar e dormem na cela. Já os condenados com pena superior a oito anosserão encaminhados para presídios.

Pela legislação, os condenados cumprem a prisão na cidade onde têm domicílio. De acordo com a PF, os condenados em regime fechado devem passar o fim de semana na Superintendência, já que a penitenciária de Brasília não recebe presos no fim de semana. Já os que cumprirão pena no semiaberto poderão ser encaminhados ao CCP neste sábado ou domingo.
Parte dos presos foi condenada a penas em regime fechado e outra parte em regime semiaberto (em que o preso somente dorme na prisão).

Os 12 réus que tiveram a prisão determinada pelo Supremo Tribunal Federal são os seguintes:

José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil
– Pena total: 10 anos e 10 meses
– Crimes: formação de quadrilha e corrupção ativa
José Genoino, deputado federal licenciado (PT-SP)
– Pena total: 6 anos e 11 meses
– Crimes: formação de quadrilha e corrupção ativa
Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT
– Pena total: 8 anos e 11 meses
– Crimes: formação de quadrilha e corrupção ativa
Marcos Valério, apontado como “operador” do esquema do mensalão
– Pena total: 40 anos, 4 meses e 6 dias
– Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas
José Roberto Salgado, ex-dirigente do Banco Rural
– Pena total: 16 anos e 8 meses
– Crimes: formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e evasão de divisas
Kátia Rabello, ex-presidente do Banco Rural
– Pena total: 16 anos e 8 meses
– Crimes: formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e evasão de divisas
Cristiano Paz, ex-sócio de Marcos Valério
– Pena total: 25 anos, 11 meses e 20 dias
– Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro
Ramon Hollerbach, ex-sócio de Marcos Valério
– Pena total: 29 anos, 7 meses e 20 dias
– Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas
Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Marcos Valério
– Pena total: 12 anos, 7 meses e 20 dias
– Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas
Romeu Queiroz, ex-deputado pelo PTB
– Pena total: 6 anos e 6 meses
– Crimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do extinto PL (atual PR)
– Pena total: 5 anos
– Crimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil
– Pena total: 12 anos e 7 meses
– Crimes: formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro

FONTE:G1.COM

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »