Confúcio projeta 2º mandato com governo itinerante para atender clamor das ruas

nov 11 • Destaque, Política • 646 Visualizações • Nenhum comentário em Confúcio projeta 2º mandato com governo itinerante para atender clamor das ruas

 

O governador Confúcio Moura anunciou na manhã desta terça-feira (11) que o segundo mandato, a partir de 1ºde janeiro de 2015, terá caráter itinerante para atender o clamor da população. Em entrevista à rádio Antena FM 103,9 com transmissão em cadeia para 80% das localidades de Rondônia, ele lembrou que a recente campanha eleitora “cobrou maior proximidade dos novos governantes com os anseios manifestados pelo movimento das ruas”.

Disse ainda que o Executivo não irá interferir no processo da eleição dos novos dirigentes na Assembleia Legislativa, pois os poderes são independentes e, na condição de governador reeleito, respeitará a vontade da maioria dos parlamentares. Mas deixou claro que é bom receber do novo presidente da ALE o mesmo tratamento respeitoso que dispensa aos dirigentes dos outros Poderes constituídos.

A reeleição veio desse clamor popular por governantes mais honestos, éticos e comprometidos com as causas populares. Por isso pretende com calma as poucas mudanças na equipe, após o dia 15 de dezembro, embora tenha admitido que algumas são a pedido e outras para atender indicações dos partidos coligados. “Mas é preciso primeiro fechar o exercício financeiro do 1º mandato para adoção do mesmo rigor e transparência na transmissão dos cargos”.

O governo dará prioridade também no próximo mandato aos investimentos na área da saúde.Segundo ainda Confúcio Moura, os serviços na área da saúde melhoraram, mas há especialidades como os serviços de emergência necessitando de maior atenção. “Melhoria na saúde, com redução das filas e distribuição de remédios são as maiores reclamações em todo o país, e nós estamos trabalhando para isso”.

A emergência se constitui hoje no maior “gargalo” em todo o país, e em Porto Velho não é diferente por causa do grande número de vítimas do trânsito, que registra a entrada de 50 pacientes todo final de semana, com fraturas e outros tipos de traumas.

O aumento dos casos de emergência na capital obrigou o governo a transformar a Unidade Estadual de Pronto Atendimento (UPA), na av. Jatuarana, em Serviço de Assistência Médica de Emergência com unidades intensivas de tratamento para dar suporte ao pronto socorro João Paulo II.

 

Ao resumir os investimentos realizados e os projetados para alguns setores da saúde, o governador explicou que foi iniciada a construção do Hospital de Emergência e Urgência (Heuro), previsto para ser concluído em um ano e seis meses, construção de hospitais regionais em Ariquemes – com emenda parlamentar de R$ 30 milhões apresentada pelo senador Acir Gurgacz –, dos hospitais de Parecis e Seringueiras e a conclusão do Hospital Regional de Guajará-Mirim.

Setor produtivo

Com localização geográfica especial, segundo o governador, Rondônia segue a trajetória planejada rumo ao desenvolvimento, após passar por diferentes ciclos econômicos até alcançar os da energia limpa, portos, hidroviários, e da ferrovia que se aproxima da região. A produção também acompanha o processo. As culturas da soja e do arroz já chegaram a municípios da BR-429, entre os quais, São Francisco e São Miguel do Guaporé, e parte do município de Porto Velho.

Os cafeicultores estão voltando a produzir e as novas técnicas praticaram quintuplicaram a produtividade por hectare. As áreas de cultivo antigas produziam no máximo 20 sacas de 60 quilos de café por hectare. Com o plantio do café clonal, segundo Confúcio Moura, o produtor consegue produzir de 80 a 120 sacas de café por hectare.

O governador explicou ser essa uma garantia para que até o final do segundo mandato o Estado esteja produzindo cerca de 4 milhões de sacas de café por ano. Atualmente, a produção é estimada em 1,2 milhões de sacas.

Um insumo que vem contribuindo para o aumento da produtividade em outras áreas de cultivo é o baixo preço do calcário produzido na nova usina de Pimenta Bueno, que em comparação com os preços do calcário que era adquirido em Cáceres, houve uma redução de R$130,00 em comparação ao produzido no Estado.

Com a construção da segunda usina de calcário, no 2º mandato, Rondônia terá condições de produzir cerca de 800 mil toneladas de calcário por ano, suficiente para atender todas as regiões do Estado e até projetar a exportação do excedente.

O incentivo à importação de insumos como o fósforo e potássio via a hidrovia do Madeira, por meio de operações de embarque no porto de Manaus (AM), é outro fator que tem reduzido o custo final dos insumos para o produtor. Com a correção do solo, o produtor não necessita mais desmatar. “Às vezes compensa vender um pedaço do lote para investir na recuperação da área degrada que vem dando prejuízo”, disse Moura.

Atração de investidores

O governador lembrou que ações como incentivo fiscal, consultoria técnica por meio do SEBRAE e acesso ao crédito aos empreendedores de pequeno e médio porte, transformaram peques empresários em grandes proprietários de redes como os supermercados Irmãos Gonçalves e de lojas departamentais como a Coimbra.

Para tirar pequenos empreendedores da informalidade o governo criou o Banco do Povo, inspirado em um modelo de Bangladesh, e que tem facilitado o crédito a milhares de pessoas, como o serralheiro, manicure, pintor, mecânico e outrosempreendedores individuais. São empréstimos que variam de R$ 500,00 a R$ 30 mil e, de acordo com o governador, muito importantes, pois agora as pessoas podem entrar num estabelecimento simples com sandália de dedo e ficar à vontade num ambiente humilde e diferente dos grandes bancos com ventilação praticamente natural.

Uma espécie de economia inteligente com o objetivo de ajudar os trabalhadores, com base nos princípios do economista peruano Hernandes Souto, autor do livro “Economia Subterrânea”, que enfatiza a busca de novas opções de renda no espaço urbano das cidades mais populosas Sul-americanas.

As agroindústrias surgiram também como alternativa para agregar renda à produção e numa parceria com esses empreendedores do campo, o governo incentiva as boas práticas de higiene e controle de qualidade. São mais de 400 agroindústrias em funcionamento e até o final de 2014 a meta é atingir o credenciamento de 1.000 unidades.

O programa floresta plantada é outro exemplo de desenvolvimento sustentável e meio de despertara ainda mais a cônscia ambiental entre os investidores e trabalhadores. Em Rondônia são produzidas espécies florestais, entre elas, pinus, maricá e teca, com bom índice de aceitação na pauta de exportação.

Dentre outros compromissos, Confúcio Moura destacou a importância de o governo atrair para o Estado novos investidores no setor de produção de ração animal, principalmente para peixe, gado e suínos. Segundo o governador, a suinocultura é bem desenvolvida na região de Espigão d’Oeste, onde a linguiça suína é bastante consumida.

 

Fonte:Decom – Governo de Rondônia

 

 

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »