Padre Ton: “Defendo um partido forte e independente em Rondônia”

nov 14 • Política • 1497 Visualizações • Nenhum comentário em Padre Ton: “Defendo um partido forte e independente em Rondônia”

O deputado federal Padre Ton, eleito presidente estadual do PT no último domingo, quando a legenda promoveu o processo interno de eleições diretas em todo o país, disse que irá defender um partido “forte e independente em Rondônia”, e que não há qualquer acordo com o PMDB sobre aliança em 2014, conforme declaração do senador Valdir Raupp publicada ontem (11) nos noticiários online.

“Sou partidário, sempre fui muito partidário e defendo o partido independente. É claro que quero a reeleição da presidente Dilma, tenho Lula como uma grande figura, a gente reconhece a direção nacional, mas nós sempre vamos defender que o PT de Rondônia tem de ser ouvido, que o PT tem de ter autonomia respeitada, tem ponto de vista e que somos de outra realidade”, afirma Padre Ton.

Pela primeira vez, em seus 33 anos, o PT de Rondônia terá uma direção totalmente diferente, e a eleição de Padre Ton, com 1.282 votos (78,60%) contra 395 (24,21%) do candidato Edson Silveira, faltando apuração dos dados de Guajará Mirim e Nova Mamoré, significa para o parlamentar “renovação e esperança”.

“O PT de Rondônia terá uma nova maioria, onde 80% da executiva e do diretório têm possibilidade de na composição estarem pessoas novas, novas lideranças. Isso é muito bom, é ar e vida própria”, disse o parlamentar.
Após votar em Alto Alegre dos Parecis, onde mantém domicilio e foi prefeito por dois mandatos, Padre Ton teve fôlego no domingo para percorrer quatro municípios e na segunda-feira (11) participou com a Comissão da Amazônia de reunião com assentados do Joana D’Arc sobre impactos na produção agrícola dos moradores da região causados, segundo eles, pela construção da usina hidrelétrica de Santo Antônio.

Mais sobre o Processo de Eleições Diretas (PED) do PT e sobre a importância do crescimento da corrente a que pertence, a Mensagem ao Partido, e sobre as expectativas da militância em Rondônia foram abordados em entrevista concedida ao Tudo Rondônia, por telefone, de Brasília:
Significado de sua eleição Representa renovação, representa esperança, e pela primeira vez, nos 33 anos do PT, em Rondônia, e infelizmente não aconteceu ainda a nível de Brasil, vamos ter a possibilidade de ter uma nova maioria, onde 80% da executiva e da direção tem possibilidade de na composição serem pessoas novas, novas lideranças. Isso é muito bom, é ar e vida própria. Padre Ton considera que essa votação, tendo ultrapassado 70% tanto na capital quanto no interior, demonstra que o partido quer ter vida própria em 2014, até quem sabe na disputa dos cargos majoritários. “E a militância quis dar uma resposta do partido às crises que passamos na Assembleia Legislativa e na Prefeitura de Porto Velho e as brigas internas”.
Mensagem ao Partido Recebi telefonema do deputado Paulo Teixeira, candidato à presidência nacional do PT, e de Eloi Pietá, importantes lideranças da Mensagem ao Partido, de São Paulo, parabenizando e mostrando que essa corrente nova que surgiu em 2005 no partido, em Rondônia talvez seja onde mais cresceu, diz. Em percentual de votantes, a militância do Estado foi a que mais contribuiu para a votação muito boa que teve Paulo Teixeira. Foi surpreendente tanto no interior, em alguns municípios com 100% de votos, e a vitória em primeiro turno do próprio candidato na capital. “É uma grande vitória e mostra que a militância está pedindo muita coisa”.
A militância petista Padre Ton diz que a militância está pedindo mais compromisso, mais autonomia do partido, mais democracia, mais transparência com o uso dos recursos financeiros, com as decisões sobre candidaturas futuras. “E também eu penso que o militante quer mais relações de proximidade com as bases, com os movimentos sociais”, diz. Sua expressiva votação é atribuída, ainda, ao contato constante com os municípios, com os diretórios municipais, com os movimentos sociais, com os movimentos de negros, de mulheres, “na própria campanha falamos muito da participação das mulheres e na preocupação que o partido deve ter com a esperança e participação da juventude”.

Partido desorganizado A votação o surpreendeu porque o partido, segundo ele, está muito desorganizado. “O PT tem potencial grande, está presente em 52 municípios, e mesmo com essa desorganização o mandato está presente em praticamente todas as regiões. Apesar de não votar, mesmo assim muitos militantes compareceram, constatou o deputado, que visitou cinco municípios no domingo, tendo votado em Alto Alegre dos Parecis. “A militância pede reforma estrutural, por isso compareceu, esteve presente, de algum modo quis participar. O povo gosta de votar, de participar”.

Não tem acordo com o PMDB Sobre a suposta existência de um acordo com o PMDB para as eleições de 2014 em Rondônia, manifestada pelo senador Valdir Raupp, o deputado Padre Ton disse que não há qualquer acordo com a legenda, que o momento é de organizar o partido e manter diálogo com as forças políticas de Rondônia.

“Sou partidário, sempre fui muito partidário e defendo o partido forte e independente. É claro que quero a reeleição da presidente Dilma, tenho Lula como uma grande figura, mas nunca precisei de sua imagem para chegar aonde cheguei e a gente reconhece a direção nacional, mas nós sempre vamos defender que o PT de Rondônia tem de ser ouvido, que o PT tem de ter autonomia respeitada, tem ponto de vista e que somos de outra realidade”.

O deputado acredita que o PT não terá dificuldade para construir alianças, e está mantendo conversas com vários partidos. O momento é apenas de diálogo, e não podemos dizer desta água não beberei. Há militantes do PT que não aceitam de maneira alguma uma aliança com o PP de Cassol; ou com o PMDB, pela própria situação de desgaste do governador Confúcio Moura, que tem hoje mais rejeição do que aceitação. Temos de ter responsabilidade na condução desse processo. No momento, repito, não fizemos nenhum acordo sobre caminhar juntos com o PMDB ou com quem quer que seja.

Unidade no PT O grupo que ganhou as eleições internas tem, na opinião do deputado, maior facilidade para construir a unidade pois ganhou a disputa em quase todos os municípios e onde não ganhou, três ou quatro, o grupo foi bem votado. “Recebi telefonemas de pessoas da Articulação Rondônia que vieram desejar felicidades e querem também contribuir. Durante a campanha da nossa chapa nós não agredimos ninguém, portanto temos facilidade para construir a unidade”.

 

Fonte:Tudo Rondônia

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »