Caravana de produtores de soja de Mato Grosso percorre Rondônia

nov 22 • Agricultura, Todas as Notícias • 60 Visualizações • Nenhum comentário em Caravana de produtores de soja de Mato Grosso percorre Rondônia

A Associação dos Produtores de Soja de Rondônia (Aprosoja) escolheu o porto de Porto Velho como ponto de partida da “caravana que está percorrendo todo o estado divulgando o cultivo de grãos e reivindicando benefícios para o setor produtivo”, disse o presidente da Aprosoja Brasil, Marcos Rosa, produtor de soja no estado de Mato Grosso e convidado de honra dos sojicultores locais.

Os produtores realizaram uma pequena cerimônia nas dependências do Porto Organizado de Porto Velho, prestigiada por diversas autoridades do estado, representando o governador Confúcio Moura estava o secretário-chefe da Casa Civil Emerson Castro, acompanhado de todo o estafe do governo para setor rural, com destaque para o presidente da Emater-RO Francisco Coutinho e o secretario de estado da Agricultura, Evandro Padovani.

O secretário Padovani também é sojicultor e encabeçou a caravana que passa por Ariquemes, Ji-Paraná, Rolim de Moura, Cerejeiras e tem como ponto final o município de Vilhena. As reivindicações dos produtores de soja não destoam daquelas exigidas pela agricultura familiar, um pedido em comum é o fortalecimento do programa terra legal, porque só o documento da terra dá segurança jurídica e facilita o financiamento da produção.

OPORTUNIDADE

Embora alguém possa imaginar que o porto só é relevante para produtores das grandes commodities como a soja e o milho, ele está disponível a todas as áreas inclusive se apresentando como uma grande oportunidade para a agricultura familiar, que pode negociar e exportar os mais diferentes produtos agrícolas ou florestais, in natura ou processados, em grandes e pequenos volumes, conforme disse o presidente do Porto, Leudo Buriti, em entrevista ao Programa Emater e o Campo, veiculado aos sábados pela manhã, na Radio Boas Novas.

Na ocasião, o presidente convidou os agricultores familiares a visitar o Porto e conhecer os despachantes e outras empresas exportadoras instaladas no Porto da capital, que já comercializam madeira e outros produtos primários em containers.

Falta ainda aos agricultores familiares rondonienses se organizarem para depois organizar a produção e aproveitar as oportunidades que os agricultores da soja já descobriram. O presidente da Aprosoja Rondônia falou ainda que o Porto de Porto Velho representa uma vantagem de onze reais por saca de soja, para quem cultiva o produto nas proximidades da capital, já que o custo do frete é menor em relação aos produtores do Mato Grosso.

Quando a agricultura familiar descobrir as oportunidades que o Porto pode oferecer, certamente não se precisará mais reclamar das dificuldades de se produzir nessa região onde de fato a fertilidade natural é baixa, mas, em compensação temos terras planas, sol o ano inteiro, chuvas bem distribuídas e um mercado mundial ávido por produtos sustentáveis da Amazônia.

Quando os agricultores familiares aprenderem a acessar os mercados asiáticos, europeus e americanos, como já fazem os grandes exportadores de commodities, as cidades de Rondônia terão melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), agroindústrias fortes e agricultores vivendo e produzindo com mais dignidade, então não haverá mais essa exclusão desnecessária, quando se diz que a agricultura familiar não faz parte do Agribusiness.

Fonte:Secom

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »