Corrupção passiva: Bancada de Rondônia vota a favor de Temer e ajuda a arquivar denúncia contra presidente da República

ago 3 • Destaque, Todas as Notícias • 39 Visualizações • Nenhum comentário em Corrupção passiva: Bancada de Rondônia vota a favor de Temer e ajuda a arquivar denúncia contra presidente da República

Dos oito deputados federais rondonienses, apenas Expedito Neto (PSD), Marcos Rogério (DEM) e Mariana Carvalho (PSDB) votaram a favor da abertura de processo de  investigação contra o presidente República.

 

A maioria da bancada de Rondônia na Câmara dos Deputados Federais votou contra a abertura de processo por corrupção passiva contra o presidente da República, Michel  Temer (PMDB).

Dos oito deputados federais rondonienses, apenas Expedito Neto (PSD), Marcos Rogério (DEM) e Mariana Carvalho (PSDB) votaram a favor da abertura de processo de  investigação contra o presidente República.

Luiz Cláudio (PR), Marinha Raupp (PMDB), Lúcio Mosquini (PMDB), Lindomar Garçon  (PRB) , Marinha Raupp (PMDB) e Nilton Capixaba (PTB) votaram por arquivar o pedido de processamento do presidente  formulado pelo procurador geral da República ao Supremo Tribunal Federal.

Temer foi gravado em conversa com o presidente da JBS/ Friboi, Joesley Batista, negociando propina.

Às 19h26 minutos, horário de Rondônia, o placar de votação mostrava um placar decisivo a favor do presidente Michel Temer, que não será processado pelo STF.

Embora a votação continue, devido às somas possíveis dos votos restantes, não há mais possibilidade de o Plenário da Câmara dos Deputados autorizar o pedido do Supremo Tribunal Federal (STF) para abrir processo criminal contra o presidente da República, Michel Temer, por crime de corrupção passiva (SIP 1/17).

Até o momento, 287 deputados votaram e os que ainda precisam dar seu voto, somados aos favoráveis ao prosseguimento da denúncia, não chegarão a 342 votos.

Entenda a denúncia
Michel Temer foi denunciado ao Supremo pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelo crime de corrupção passiva nas investigações decorrentes da delação de Joesley Batista, do grupo J&F.

Temer foi acusado de ser beneficiário dos recursos entregues pela empresa ao ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, que havia sido assessor especial da Presidência da República. Conforme a Constituição, um eventual processo contra o presidente da República no Supremo, por crime comum, só pode ser aberto com aval de 2/3 dos deputados (342 do total de 513).

Parecer
Em julho, a CCJ – Comissão de Constituição e Justiça da Câmara –  aprovou o parecer contrário ao andamento das investigações. O texto vencedor, por 41 votos a 24, foi o do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que rejeita o pedido de Janot para investigar Temer.

No parecer, Abi-Ackel questiona a legalidade da gravação feita por Batista, que, na avaliação do deputado, conduziu uma “conversa maliciosa e mal intencionada”. Abi-Ackel também afirma que, nos diálogos, não houve crime.

Fonte:Tudo Rondônia

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »