Queimadas em Rondônia estão perto de superar a marca de 2010

ago 11 • Meio Ambiente • 1224 Visualizações • Nenhum comentário em Queimadas em Rondônia estão perto de superar a marca de 2010

fogo br 425 guajara -fotos de ésio Mendes (1)

Enquanto o município de Cacoal, a 500 quilômetros de Porto Velho, teve apenas dez incêndios, no mês de julho, no sábado (8), o Comando do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia (CBM-RO) recebeu 40 chamadas telefônicas, só da Capital, denunciando queimadas em diferentes bairros.

“Este ano o município aproxima-se dos números ruins de 2010, e pode até superá-los”, previu nessa segunda-feira (10), o coordenador do Comitê de Prevenção e Combate a Queimadas, o comandante do CBM-RO, coronel Sílvio Rodrigues.

A capital de Rondônia totalizou 477 focos de calor, até o final do mês de julho, e contabilizava 539, até o início desta semana.

Nos primeiros dez dias de agosto, o vertiginoso aumento das ocorrências [estimado em 600%] obrigou o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a escalar 34 brigadistas em Porto Velho e 52 no Estado. As operações do órgão federal são feitas em parceria com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam).

Em um ano, o número de focos de calor em Rondônia quase dobrou: de 582 em 2014, ano de enchentes, para 1.217. O município de Porto Velho lidera em queimadas urbanas e rurais, seguido de Candeias do Jamari, com 178; e Nova Mamoré, com 167.

Para o coordenador, a situação piora a cada dia. “Esse agravamento demonstra que a grande maioria dos casos ocorridos em área urbana é intencional”, lamentou Rodrigues.

A fumaça já polui os céus nesta parte da Amazônia Ocidental. O Grupamento de Operações Aéreas (GOA) colocará seu avião Cessna 2010 à disposição das operações de reconhecimento de focos de queimadas e, eventualmente, transportar pessoas em extrema necessidade, na rota Porto Velho-Humaitá (AM).

EFEITO ESTUFA

“O governo de Rondônia está preocupado com a seca e atuará em todo o Estado, especialmente nos municípios onde houver maior índice de focos de calor do que no ano passado”, informou a coordenadora de Educação Ambiental da Sedam, Maria do Rozário Almeida da Silva.

Em campanha com o tema “Queimada, apague essa ideia!”, a Sedam advertirá a população para o perigo de Rondônia contribuir com o aumento dos problemas ambientais enfrentados pelo Brasil. “Emissões resultantes da queima de biomassa vegetal colocam o País entre os principais responsáveis pelo aumento dos gases de efeito estufa do planeta”, assinalou Maria do Rozário, acrescentando que a culpa não é do período seco, mas da população.

“O que vemos são pessoas querendo tocar fogo, sem medir consequências graves advindas dessa cultura, que é antiga. E só choverá em setembro”, complementou o superintendente adjunto do Ibama, Roberto Fernandes Abreu, advertindo para que as pessoas “parem de acender fósforo e isqueiro. Quem põe fogo pode matar”.

Relatórios elaborados pelo CBM-RO revelam: em vez de as pessoas contratarem limpadores de terrenos, preferem atear fogo no mato e nos entulhos. “As pessoas pouco se preocupam com crianças e idosos”, queixou-se o comandante Rodrigues.

Conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), em 2010 Rondônia totalizou 2.980 focos; em 2011 caiu para 1.636; em 2012 somaram 1.181; em 2013 reduziram para 582; e em 2014 somaram 1.217.

Respaldada pelo Comitê e pela Promotoria do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual, a prefeitura Porto Velho pela primeira vez conseguiu unir o decreto de situação emergencial à contratação de bombeiros civis. “Eles atuarão como brigadistas”, confirmou o secretário municipal de Meio Ambiente, Edjales Benício.

A portaria nº 42 permitiu a contratação, o plantão de atendimento e a fiscalização passou a ser feita diariamente, das 8h às 20h. O Disque Queimadas 0800, que no ano passado recebeu apenas 160 chamadas, alcançou 304 até julho deste ano.

A prefeitura de Porto Velho também confirmou nessa segunda-feira as atividades da sala de situação climática e ambiental. Para socorrer a zona rural [o município tem 34 mil Km²], o CBM-RO escalará um sargento e dois soldados para fazer vistorias numa caminhonete.

APELO FINANCEIRO

O coronel Sílvio Rodrigues reiterou os valores de multas a quem atear fogo em terrenos baldios. Elas variam entre R$ 2.769 e R$ 5 mil, sujeitando o infrator à pena de prisão. “Quando falta conscientização, temos que apelar para os aspectos financeiros e econômicos, que doem no bolso”, justificou.

Eme ainda informou, que depois de reformado em Cuiabá (MT), está voltando para Porto Velho o caminhão autobomba tanque com capacidade para cinco  mil litros de água. O CBM-RO mantém agora escalas de trabalho do efetivo, de 24h por 48h (folga). O comando dispõe também de outro autobomba-tanque especificamente destinado a combater incêndios florestais.

Parceiro do Comitê de Prevenção, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) liberou um caminhão-pipa e uma retroescavadeira com prancha, para facilitar aceiros em áreas rurais. O Departamento de Patrimônio do CBM-RO oferecerá aos parceiros abafadores e bombas costais. Ainda neste mês, mais 86 bombeiros serão engajados no trabalho na Capital e no interior do Estado.


Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Ésio Mendes e Daiane Mendonça

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »