REVIRAVOLTA NO CASO JÉSSICA: TJ acata recurso do MP e Ismael será levado a júri popular por morte da namorada

mar 12 • Polícia, Todas as Notícias • 159 Visualizações • Nenhum comentário em REVIRAVOLTA NO CASO JÉSSICA: TJ acata recurso do MP e Ismael será levado a júri popular por morte da namorada

O crime de feminicídio ocorrido em abril do ano passado em Cerejeiras, que teve como vítima a jovem Jéssica Moreira Hernandes, à época com 17 anos, teve uma nova reviravolta no caso.

Na quarta-feira, 7, o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO) acatou em parte o recurso apresentado pelo promotor de Justiça Marcus Alexandre de Oliveira Rodrigues e decidiu que Ismael José da Silva, namorado da vítima, será submetido a júri popular, assim como o outro réu do caso, Diego de Sá Parente.

A informação chegou à redação do Vilhena Notícias pouco antes das 10h00, e uma fonte do site confirmou que “o recurso foi provido em parte por unanimidade, Ismael continuará em liberdade e será submetido a júri”. O acórdão (voto dos desembargadores) ainda não saiu no sistema e a decisão do TJ cabe recurso.

A advogada de Ismael, Shara Eugênio de Souza, disse à reportagem nesta quarta-feira que ainda não foi intimada, que aguardará notificação e acordão do TJ para ver quais medidas a defesa irá tomar.

Em setembro de 2017, cinco meses depois do crime, Ismael foi absolvido pelo juiz de primeira instância Jaires Taves Barreto da 2º Vara Criminal da Comarca de Cerejeiras. Ele absolveu Ismael da acusação de ter assassinado a namorada Jéssica e determinou naquele julgamento, que Diego de Sá Parente seja levado a júri popular. Após essa decisão o promotor Marcus Alexandre recorreu e pediu que o namorado da vítima também fosse levado ao banco dos réus.

Veja: Ismael Silva é absolvido da acusação pela morte da namorada Jéssica Hernandes

A defesa de Ismael afirma “que não existem indícios, o Ismael não estava no local do crime”. Para a causídica, o “Dr.º Marcos Alexandre, desde o início comprou a ideia do delegado e manteve, mesmo diante das provas que está nos autos, de que meu cliente não esteve no local. [delegado] Foi parcial desde início”, explicou a advogada.

A decisão dessa semana cria um novo capítulo no trágico assassinato da adolescente.

A reportagem ainda mantém contatos para trazer novos detalhes.

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »