PM diz que rosto de advogado espancado ficou desfigurado após queda

jun 25 • Destaque • 707 Visualizações • Nenhum comentário em PM diz que rosto de advogado espancado ficou desfigurado após queda

A ocorrência registrada pela PM contra o advogado Isac Neris Ferreira dos Santos afirma que as lesões que deixaram seu rosto desfigurado foram causadas por uma queda, enquanto ele segurava o policial militar Egnaldo Cícero Mariano. Após ser espancado, o advogado teve que receber tratamento no Pronto Socorro João Paulo II, pelo cirurgião Ricardo Bohorquez e encaminhado em seguida ao Hospital Oswaldo Cruz, atendido pelo oftalmologista Cristiano Matos de Araújo.  A OAB de Rondônia denunciou o caso como tortura e pediu o afastamento e prisões dos envolvidos. A OAB Nacional repudiou as agressões e exigiu providências do Estado.

 

Na ocorrência, assinada pelo militar Jhoni Vieira Novais, a versão da queda é destacada em várias ocasiões. Em uma delas, confusa, diz que o advogado caiu após segurar o colete de Egnaldo Cícero. “Informo que no momento em que o conduzido tentou arremessar o SD. PM Egnaldo no solo, segurando-o pelo colete, suas mãos ficaram presas e o conduzido caiu com o rosto no solo, momento em que, tanto o policial quanto o conduzido vieram a cair ao solo, por esse motivo há escoriações no rosto do conduzido. Da ocorrência, o fardamento militar do referido soldado foi danificado. Informo ainda que, por diversas vezes, tanto o conduzido como o policial militar se debatiam no solo”.

 

VEJA TAMBÉM:

 

PM emite nota sobre caso do advogado agredido

OAB exige prisão de policiais envolvidos em caso de advogado agredido

Advogado é espancado por militares ao tentar defender cliente

 

Ainda de acordo com o que narraram os policiais, mesmo caído, o advogado desferia socos e pontapés no “policial Egnaldo, principalmente na cabeça, sendo que o policial militar teve que usar da força física moderada e técnicas de imobilização para contornar a situação”.

 

As imagens do advogado mostram ele algemado, com vários hematomas pelo corpo e lesões na cabeça e olhos. O rosto ficou deformado.

 

De toda a confusão, a PM diz que seu soldado ficou machucado e que mais tarde, Egnaldo Cícero reclamou de dores na cabeça. Outra envolvida, a PM Elisângela da Silva Barbosa disse que tinha dores nos dedos e mãos.

 

PUBLICIDADE

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

Rondônia Manchete
www.rondoniamanchete.com.br