Irmã de apenado que liderava quadrilha de roubos e furtos de carros no MT é presa em Ariquemes

ago 18 • Polícia, Todas as Notícias • 151 Visualizações • Nenhum comentário em Irmã de apenado que liderava quadrilha de roubos e furtos de carros no MT é presa em Ariquemes

Conforme o delegado regional Rodrigo Duarte, as investigações da operação iniciaram há três meses em Cuiabá (MT), onde eles receberam a informação de que havia um esquema destinado à prática dos crimes de estelionato.
A irmã do detento era quem operava o esquema criminoso em Ariquemes e no estado, pois ela ficava responsável pelos repasses de valores adquiridos nas negociações fraudulentas.

“A organização criminosa realizava compras e vendas dos veículos de forma fraudulenta, iludindo os compradores a respeito da aquisição do bem, que eram induzidos a realizarem depósitos em contas correntes e estes depósitos, uma vez efetuados eram repassados para essa organização criminosa, e obviamente, os veículos não eram entregues. A contratação não se concretizava porque não se tratava de venda alguma, era somente um meio de emprego desta fraude”, relata.
De acordo com a Polícia Civil, depois de efetuadas as fraudes, parte destes recursos eram depositados em contas de titulares no estado de Rondônia e essas pessoas foram todas identificadas na investigação feita pela equipe do Mato Grosso, que conseguiram identificar não só o destinatário da conta, mas para onde esses valores estavam seguindo e qual era a participação de cada um neste esquema criminoso.

Após todo o esquema ser desvendado, foram feitas as representações por prisões preventivas e buscas e apreensões.

O delegado Rodrigo Duarte detalhou que durante as ações em Ariquemes foram apreendidos documentos, cartões de banco que comprovavam que de fato aquelas pessoas eram titulares das contas.
“Já obtivemos em realizações de alguns interrogatórios que dão conta que estas pessoas emprestavam as contas bancárias e ficavam com parte desses valores. Foram colhidos elementos suficientes de que não tinha ninguém inocente nesta investigação. Pois a princípio, eles deveriam ter uma desconfiança a partir do momento em que você empresta a sua conta para depósito de valores volumosos entre R$ 10 mil a R$ 30 mil”, detalha o delegado.
Depois de receber os depósitos, os detidos na operação em Ariquemes eram orientados pela irmã do líder da organização criminosa a fazer o saque desse dinheiro de forma integral, repassar a quantia e ficavam com uma parte.

Delegado fala sobre operação em Ariquemes (Foto: Jeferson Carlos)

Delegado fala sobre operação em Ariquemes (Foto: Jeferson Carlos)

Durante as buscas em uma das residências, a Polícia Civil ainda encontrou uma arma de fogo e munição, que culminou na prisão em flagrante de um dos homens.

“Nós acreditamos que eles tinham no mínimo, uma potencial consciência em saber que se tratava de algo relacionado ao crime, de modo que as prisões foram cumpridas com êxito, sendo que em uma das buscas até resultou na prisão em flagrante”, explica Rodrigo Duarte.
A partir de agora, os materiais apreendidos serão arrecadados e formalizados pela Polícia Civil de Ariquemes, que os encaminhará ao delegado responsável em Mato Grosso, juntamente com todos os interrogatórios das quatro pessoas presas.

Operação Ares Vermelhos

A Polícia Civil de Mato Grosso deflagrou nesta quinta-feira (17) uma operação em quatro estados contra roubo e furto de veículos. Ao todo são 125 mandados judiciais, sendo 51 mandados de prisão, 12 de condução coercitiva, que é quando a pessoa é levada para depor, e 62 de busca e apreensão em Mato Grosso Mato Grosso do Sul, Pará e Rondônia.
Segundo a polícia, os crimes eram chefiados por quatro integrantes da facção que estão presos em Mato Grosso, que encomendavam veículos a comparsas que estão soltos. A estimativa é que o esquema seja responsável por 409 roubos ou furtos dos 682 ocorridos durante os três meses das apurações.

Ao logo da apuração, os policiais acompanharam em redes sociais a ação controlada de 35 eventos criminosos envolvendo roubos de veículos, receptação e manobras financeiras de aberturas de contas para depósitos, transferências e saques de valores em bancos, além de ocultação e o comércio de veículos subtraídos e clonados.
Os crimes eram liderados pelos principais membros da organização criminosa, que estão presos em unidades prisionais de Mato Grosso. Eles encomendavam veículos para comparsas do lado de fora, que executavam os roubos conforme a necessidade da organização.
O ganho na revenda ou troca dos veículos de origem criminosa rende, em média, R$ 3 mil para os envolvidos. Caso não tivesse ocorrido à recuperação de 90% dos veículos subtraídos em Cuiabá e Várzea Grande, em ação das forças policiais, a estimativa de lucro seria de R$ 1,2 milhão no curto tempo da investigação.

 

Fonte:Terra

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »